sábado, 22 de setembro de 2007

Espera

Quase madrugada
O que espero?
Quem espero?
Não sei...

Sei que dilacera essa dor
A dor da espera
Viver dói, machuca
Destrói, corrói

Por que viver, então?
Por que se agarrar à vida?
De uma forma louca
Insana e desesperada por viver
Viver uma dor

Não entendo por quê
Mas gosto de viver
Sou contradição
E ainda espero
Quem? O que?
Não sei...
Talvez prefira assim
É, não sei...

Hugo Rocha

Um comentário:

Andy disse...

Esperar é sempre complicado e contraditório...
Por isso parece bastante com vc... =]