quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Acaso e dor

A dor é tamanha
Que se acumula em camadas
Tornando nublado meu ser

Sinto-me um pai que perdeu o filho
Um filho que não mais tem pai
Sinto a dor de quem tudo perdeu
Até o que já não tinha

Sinto a dor de uma criança
Que sai da escola
E não tem casa pra onde voltar

Dor de quem não tem recursos
Nem condições emocionais
Para recomeçar

Pior a vergonha e a culpa estranhas
Que invadem-me
Por ter sido poupado

Como agradecer a Deus?
Se Ele me tivesse amparado,
Acaso deixaria meu próximo só?

Não, meu Deus não é o deus cristão
Ele não é frio. Tem coração


Resta-me louvá-lo por ficar de fora
De tamanho horror

Agradeço apenas ao Acaso
Que mais uma vez me livrou

Hugo Rocha

3 comentários:

.::Avulso::. disse...

é! mudar é sempre bom. seja em situações tristes ou felizes, como parecem ser os nossos casos.
dá uma cara nova a quase tudo...

obrigado pelos comentários e pela atenção, hugo.

jéssica disse...

Gostei do seu blog e do seu jeito de escrever também, apesar das minúsculas. É, eu tenho mania de GRANDEZA! xD

.hugo rocha. disse...

obrigado jéssica! identifique-se, por favor, para que eu tenha como te responder de alguma forma. não gosto de não poder fazer contato, rsrs.

quem é você? ^^