sexta-feira, 3 de abril de 2009

Talvez

Uma posição cristã não é aquela que é baseada na Bíblia; mas sim aquela que surge após a experiência de colocar-se no lugar do outro. Entender o seu problema. Sofrer a sua dor. Enxergar o mundo com os seus olhos. A posição cristã é, em sua essência, antagônica à posição religiosa. Nela, não há interferência de regras próprias e padrões morais pessoais. Há apenas uma atitude reverente diante da dor do outro. Se não é possível sofrê-la em comunhão, o caminho mais justo é o silêncio. Fora dele, sobrará incoerência.

Um seguidor de Cristo não é aquele que consulta um manual de regras antes de decidir pelo “sim” ou pelo “não”. Muito pelo contrário, é aquele que não se amedronta ao ter que admitir a incerteza, a dúvida ou a escolha pelo “talvez”. Os que amam entendem que Cristo não ofereceu regras. Entendem que o convite e a proposta dEle era para que nos colocássemos sempre no lugar do outro. Primeiro, a ausência total de pecado. Depois, a primeira pedra. E essa primeira pedra, um imitador de Cristo sabe que nunca vai existir.

Antes de consultar qualquer manual, leia o outro. Interprete sua vida. Devore as condições de sua existência. As pedras desaparecerão juntamente com os convictos vocábulos “sim” e “não”.

Diante de qualquer dúvida, basta lembrar que as vítimas da Inquisição reconheciam sua condição de hereges diante da Bíblia. Em seguida, sentiam o calor do fogo que as consumia ainda vivas.

Hugo Rocha

Um comentário:

Andy disse...

Nunca consigo fazer aqueles comentários bem elaborados como os do Leandro e outros amigos seus... Mas eu sempre fico bastante pensativo quando leio seus textos... Um posição interessante!