domingo, 3 de maio de 2009

Horizonte de maio

Desisti de lutar contra a minha tristeza. Conscientizei-me que ela faz parte de mim. Os resultados, caso eu resolva eliminá-la, podem ser devastadores. Equivalentes aos efeitos que resultem do corte de qualquer outra parte de mim. Sim, a tristeza é parte fundamental do meu ser. E talvez seja a maior e a mais importante das partes que me compõem. Sou uma pessoa essencialmente triste. Palavras que neguem isso não vão adiantar. Seriam vãs, um mero discurso sem efeito prático. Logo após qualquer afirmação positiva, eu provaria o inverso na prática. Sou triste!

Não sei dizer se gosto de ser assim. Ou se apenas já me acostumei. O fato é que, mesmo se pudesse, eu não mudaria isso em mim. Talvez por medo. Receio de tentar uma vez mais. Errar de novo.

Acho que nunca conseguiria viver sendo feliz. Reaprender a viver nessa altura da vida exige coragem. E vontade. Atributos que admito não mais ter. Perderam-se no meu passado. Não, para tal façanha eu não tenho coragem. Prefiro continuar assim. Filho da tristeza. Não tenho pique para um recomeço hoje! Talvez amanhã... É, talvez...

A você, feliz, só peço uma coisa! Antes de acusar-me, confrontar-me, revoltar-se com a minha declaração, disponha-se a dividir comigo um pouco da felicidade que tens nesta vida. Compartilhar uma pequena dose dessa alegria que te visita é combustível suficiente para que eu vença mais uma triste jornada que se deslumbra no meu nublado horizonte de maio!

Hugo Rocha

Nota: após postar o texto acima, retomei a leitura de As confissões de Frei Abóbora, livro de José Mauro de Vasconcelos. Logo no início, deparei-me com algo que complementa, de certa forma, aquilo que escrevi. Publiquei o trecho no blog Livros só mudam pessoas e quem quiser pode lê-lo aqui.

2 comentários:

Andy disse...

esencialmente triste... gostei da declaração!

acho que ainda não descobri o que sou verdadeiramente... acho que sou essencialmente inconstante... hehehe

abraço irmão!

Leandro Neri disse...

Se serve de consolo, meu horizonte de maio também não anda muito belo, não... =/
(Acho que não serve... hehe)

Mas estamos aí!
Abraço, ser!!!