terça-feira, 4 de agosto de 2009

Definições

Definir-me seria um erro.
Definir a minha fé, um risco desnecessário!
Já disse que não gosto de rótulos.

Como está implícito na própria palavra, definir é impor um fim, estabelecer limites, demarcar fronteiras.

Não aceito os limites das definições. Não posso (nem quero) adequar minha fé aos conteúdos propostos por elas.

Sou essencialmente livre. Aceitei o convite do Amor. Quero apenas amar, tentar...

Minha fé não aceita fronteiras! Meu chamado é outro. Uma antítese das definições: nasci para construir pontes. Tarefa inesgotável. Infindável.

Em terra de opostos, quero ser um ponto de intersecção. Ser local de parada das vãs discussões que buscam provar quem carrega a verdade!

Almejo cruzar fronteiras.

Não posso me definir como cristão. Não quero me dizer católico. Não aceito que me chamem de crente. Não posso me dizer evangélico, protestante...

Não, não me considero melhor que aqueles que se contentam com as definições. Nem quero distância deles. Apenas não me conformo aos rótulos. Desejo então que todos me permitam ficar por perto... como aquele que une! Não aceito que tentem me converter, me delimitar.

Não sou melhor. Sou apenas diferente...

Num mundo de iguais, insisto em fugir das definições.

Gosto de ser assim... Livre... Como o Vento!

Minha fé precisa voar...

Hugo Rocha

2 comentários:

André disse...

Livre e indefinível... Inteiramente vc!!! =]

Fico pensando.. Quando será que vão se cansar de tentar te encaixar em padrões?? xD

Quando menos se espera, vc sempre muda... huahauahaua

É divertido, pessoas definíveis como eu são chatas... xD

inda bem que vc gosta de conversar com pessoas chatas tb.. hehehe

Abraço irmão!

breno costa disse...

tipo eu