sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Quando eu era menino...

Tenho lutado para deixar de ser menino! Almejo atingir a estatura de um homem. Não é uma tarefa fácil, reconheço. Para mim, dificultada pelo fato de eu habitar em meio a mais meninos que homens.

Mas essa é uma decisão que tomei. De-cisões. Outra vez é tempo de separações, mudanças. Momento de cruzar pontes. Seguir rumo a novas direções.

Carrego em mim um conjunto muito grande de lembranças: as minhas somadas às das muitas almas que em mim encontram pouso. Mas é hora de deixar tudo isso para trás.

“Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino...” Faço minhas as palavras de Paulo. Por enquanto, essa parte apenas. É inevitável! Percebo que as coisas que antes faziam sentido já não mais fazem. Tantas antes “grandes coisas” agora não passam de tolices. Brincadeiras de criança.

Em breve, completarei mais um ano de vida. Uma nova etapa se iniciará, um novo ano. Falta pouco para que isso aconteça. Apesar de não ser supersticioso, sou intimamente ligado a significados. Por isso, tomei uma decisão.

No dia em que completarei mais um ano de vida, quero declarar a outra parte das palavras de Paulo: mas “quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino”.

De forma alguma deixarei de amar os meninos que me cercam, dentre os quais até há pouco tempo vivi. Apenas não tolero mais as suas meninices...

Há tempo para tudo! Inclusive para amadurecer...

Hugo Rafael Rocha

2 comentários:

André disse...

Belo texto!
Espero mesmo que alcance seus objetivos e que consiga alcançar o 'seu amadurecimento'!
Sabe que sempre torço pela sua felicidade!

Grande abraço! ;)

Alysson Tato disse...

Ah, amigo e suas palavras, sempre me confortando (: