sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

“Hoje” é Natal

Então, é Natal…

...“porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz.” (Isaías 9.6, NVI)

E desse porquê muita gente se esqueceu. E o Menino que veio anunciar a paz viu a sua voz ser abafada pelo som da explosão dos sentimentos. Amor, união e paz... apenas nos últimos dias do ano. Logo, a voz do Menino será abafada não pelo som dos sentimentos exacerbados, mas pelos gritos de ódio e pelo silêncio dubiamente barulhento da indiferença.

Então, é Natal...

...e a boa notícia é “que Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não levando em conta os pecados dos homens, e nos confiou a mensagem da reconciliação.” (II Coríntios 5.19, NVI)

E essa boa nova quase ninguém mais conta. Quase ninguém vive. O que se ouve é a confusão de vozes geradas pelos desejos vazios de “feliz natal”. Em meio aos abraços e beijos fervorosos. Daqui a um ano, é hora de fazer isso de novo. Enquanto isso, a gente vai tocando a vida. Teremos tempo de descansar até termos que amar de novo. Que alívio!

Então, é Natal...

E a beleza dos fogos de artifício atrai nosso olhar para o céu. Esquecemo-nos de olhar para o chão, onde alguém que está caído precisa da nossa ajuda para se levantar.

Então, é Natal...

E o barulho dos mesmos fogos silencia a dor da mãe que vê o filho entregar-se, dia após dia, às drogas. Esconde o choro daquele que encara a morte, a dor e o sofrimento de perto.

Então, é Natal...

E a comida farta nos ajuda a esquecer daqueles que, não só no Natal, mas em todos os dias do ano não têm o que comer. Vamos fazer um almoço de Natal para os pobres. Todos têm direito a uma refeição por (cada 365) dia(s). Com cacofonia intencional...

Então, é Natal...

É hora de comprar brinquedos de R$ 1,99 para as crianças. Isso se os carrinhos sem rodinha e as bonecas sem perna já estiverem no lixo. Às vezes a gente se esquece de guardar até o momento certo de doar.

Então, é Natal...

E, a despeito de tudo isso, uma verdade permanece: Deus em Cristo reconciliou consigo a humanidade. 

Então, é Natal...

O dia adequado para propagar a mensagem da reconciliação! Assim como todos os dias que possamos chamar de “hoje”.

Hugo Rocha

2 comentários:

André disse...

minha mãe leu seu texto e pediu para eu te dar os parabéns por ele. ela até o imprimiu para mostrar para as pessoas... =]

Lipe Arêdes disse...

Compartilho desse mesmo sentimento. Muito me entristece ver que a maioria das pessoas só pensam na "festa" e não no seu grande motivo: nascimento de Cristo. E que não seja preciso celebrarmos o Natal para lembrarmos dEle, não é mesmo?! Que "hoje" seja sempre tempo de festa, de comemoração pela vinda daquele que veio para, não só nos salvar, mas ensinar! Um forte abraço.