segunda-feira, 11 de maio de 2009

(des)conhecimento

Já cansei de responder à mesma pergunta. E, uma vez mais, eu repito: nada, não quero nada! Por que insistem tanto em me questionar? Garanto que não exijo nada, não peço nada, não espero nada... Deixem-me apenas aqui... onde e como estou!

Alerto a todos que parem! Pode ser que, por causa de tanta insistência, eu comece a querer... Meu coração pode começar a se arriscar na ambiência dos desejos. E...

posso desejar que não me peçam mais nada, mesmo que seja preciso não me concederem nada também...

posso desejar que não me cobrem presença, mesmo que a ausência recíproca passe a ser regra e não mero acontecimento companheiro do tempo...

posso desejar que não esperem de mim o bem; para que, quando ele surja, seja como dádiva, surpresa, e não um atributo esperado...

posso desejar que todos me esqueçam, mesmo que eu não consiga esquecer... e saiba que a dor da saudade irá sempre me visitar...

posso desejar que não insistam na mesma pergunta. Se ainda não respondi, na certa é por que não encontrei resposta... E há respostas na Vida que não quero encontrar! A ignorância começa a se apresentar a mim como virtude!

De respostas, admito, estou cansado! A partir de agora, o (des)conhecimento torna-se um dom com o qual pretendo minha alma brindar. E se, para isso, for preciso o silêncio, prometo que minha voz daqui para a frente pouco se ouvirá.

Quando eu desejar que todos se calem, tenham certeza que em troca oferecerei o meu silêncio eterno...

Hugo Rocha

3 comentários:

Andy disse...

bastante interessante...

Andy disse...

"seu texto me fez pensar no porque sempre insistem em te perguntar as coisas. Acho que vc tomou uma posição que causa incômodo e inveja! Um dia te deixam em paz, rs, pelo menos espera-se!"

xD

Leandro Neri disse...

O famoso post "chutando o pau da barraca"... heuheuehuehehue

Também já tive o meu... =P

Adoro!!!! rsrs

Abraço, rapaz!!!